Oficina Atroá de Cinema

Explorar

Oficina Atroá de Cinema

A Oficina Atroá de Cinema consiste numa imersão de quatro semanas, de segunda a sábado, na qual serão apresentados conhecimentos das principais áreas da produção de um filme para que os alunos saiam dessa jornada com um curta-metragem de ficção produzido no portfólio.

O curso terá aulas teóricas e práticas e trabalhará com o que chamamos de cinema possível, ou seja, o cinema que encontra formas de existir dentro das limitações orçamentárias encontradas na produção nacional sem abrir mão da qualidade narrativa e técnica da obra.

Não são exigidos conhecimentos prévios em cinema, bastando tão somente a vontade de aprender a pensar e produzir uma peça audiovisual de forma crítica e criativa, conhecimento que pode ser aplicado em filmes institucionais, jornalísticos etc.

Uma inovação proposta pela oficina é a verba de R$ 500,00¹ que os alunos receberão para cobrir custos da produção do curta-metragem, tais como transporte, alimentação etc. Encorajamos os alunos a buscarem apoios para diminuir custos, prática comum no meio. No último dia de curso, a dupla de produção deverá prestar contas, tal qual se faz quando se passa em editais. Após isso, exibiremos o filme numa sessão aberta a convidados dos alunos.

¹ Caso o orçamento estoure, os alunos devem cobrir o excedente.

GRADE CURRICULAR

  • Roteiro
  • Direção
  • Fotografia
  • Arte
  • Produção
  • Som para cinema
  • Edição

TURMA

Mínimo: 08
Máximo: 12

INVESTIMENTO

R$ 2.000,00 em até 10x sem juros pelo PagSeguro
R$ 1.800,00 (desconto de 10%) para pagamento à vista no boleto ou débito.

  • Para pagamento à vista, entre em contato com a coordenação.

COORDENAÇÃO

Tem dúvidas? Fale conosco!

Matheus Nobre
contato@estudioatroa.com.br
(82) 999.926.885 (TIM e Whatsapp)
(82) 991.883.208 (Claro)

CONHEÇA OS PROFESSORES


nivaldo-vasconcelos

NIVALDO VASCONCELOS
Estúdio Atroá
Disciplinas: Roteiro e Direção

 

 

 

Nivaldo Vasconcelos nasceu em Maceió no ano de 1981 e desde muito cedo se interessava por cinema. Sua brincadeira favorita quando criança era brincar de “fazer filme”.

Em 2010, despertado por sua cinefilia começou sua militância no cineclubismo, fazendo parte do cineclube Ideário e Tela Tudo, desenvolvendo críticas de filmes e curadoria de mostras.

Em 2011, começou a trabalhar com produção audiovisual, participando como produtor do filme de Rafhael Barbosa, “km 58”, como co-roteirista, assistente de direção e direção de conteúdo interativo no filme “Maré Viva” de Alice Jardim e Lis Paim.

Em 2012, lançou o livro infantil “Embolados” e estreou na direção com a vídeo-dança “Criatura”, que participou de festivais importantes e recebeu o prêmio de melhor trilha sonora na Mostra Sururu. Neste mesmo ano trouxe “Zoé”, outra vídeo-dança.

Em 2013, lançou “Mwany” que percorreu vários festivais nacionais e algumas exibições internacionais (inclusive o filme fez parte da programação da semana internacional de cultura de Moçambique, em Inhambane, terra natal da personagem do curta metragem). Mwany ganhou 6 prêmios na mostra sururu de 2013, incluindo o prêmio de melhor direção. Com Mwany, a parceria com Matheus Nobre e Alice Jardim se consolida com a criação do “Filmes Atroá” – futuro Estúdio Atroá -, uma produtora independente.

2014 traz “Noturna”, contemplado no edital estadual de 2013, e “A Gente Não Combina Com Essa Sala”. Esses filmes foram premiados e exibidos em diversos festivais.

Em 2016, junto de Patrícia Galucci (SP), desenvolveu o roteiro de longa metragem “Viagem Solitária”, baseado na vida de João W. Nery, o primeiro trans homem brasileiro (desenvolvimento contemplado pelo Itaú Rumos). Em abril e maio, produziu junto a Matheus Nobre e Sónia André o curta “À Espera”, gravado em Niassa (Moçambique), um filme sobre a triste realidade dos casamentos prematuros e desenvolveu um projeto autoral e experimental, o curta “Teresa” (ambos a serem lançados em 2017).

Em novembro, foi contemplado no IV Edital de Prêmio de Incentivo à Produção Audiovisual em Alagoas, com seu curta de ficção, Teto.

Nivaldo também se interessa por literatura, fotografia, teatro, música e vem desempenhando vários trabalhos unindo o cinema a estas outras linguagens.

Filmes nos quais trabalhará em 2017: Teto, Cláudio, O Poeta do Barro Vermelho, Dissonância e Ciranda de Memórias (conjunto de documentários).

 

matheus-nobre

MATHEUS NOBRE
Estúdio Atroá
Disciplinas: Fotografia e Edição

 

 

 

Formado em publicidade pela UNIT, começou no cinema em 2011, nas gravações do curta-metragem Do Amor e Outros Crimes. Durante dois anos, trabalhou com produção de vídeos internos para empresas e eventos. Em 2012, produziu o curta de ficção Carmina como projeto de conclusão do curso intensivo de férias da AIC (Academia Internacional de Cinema) de São Paulo. Em março de 2013, em Penedo, produziu o documentário Esculpindo a Tradição – Os tesouros do Velho Chico. No mesmo mês, foi convidado a participar da produção de um documentário chamado MWANY. Foi aí que fundou o Estúdio Atroá em parceria com Nivaldo Vasconcelos e Alice Jardim, ambos com vasta experiência no meio. A partir de então, o trio produziu diversos filmes, a constar: Rua das Árvores (2013), Ela (2014), Entre Céus (2014), A Gente Não Combina Com Essa Sala (2014) e Noturna (2014). Em 2015, Matheus exibiu seu documentário, Há Algo Errado no Paraíso, na mostra Sururu de Cinema. Em 2016, fotografou o filme À Espera, uma co-produção internacional realizada em Moçambique. Também roteirizou e dirigiu o filme institucional da Frascalli, que insere o Estúdio Atroá no mercado de filmes institucionais.

Recentemente, teve seu curta de animação, O Poeta do Barro Vermelho, selecionado no  IV Edital de Incentivo à Produção Audiovisual em Alagoas.

Filmes nos quais trabalhará em 2017: O Poeta do Barro Vermelho, Teto, Dissonância, Cláudio e Ciranda de Memórias (conjunto de documentários).

 

nina-magalhaes

NINA MAGALHÃES
Coletivo Popfuzz
Disciplinas: Produção e Arte

 

 

 

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Alagoas. É membro do Coletivo Popfuzz desde 2005 onde atua no setor de Sustentabilidade e produção cultural e audiovisual. Produtora executiva do Festival Maionese desde 2006 e do Festival Grito Rock Alagoas desde 2011. Trabalhou como assistente de Produção do Encontro Internacional da Feira da Música Fortaleza em 2012 ano em que também trabalhou como assistente de Produção do festival Bnb Rock Cordel maceió. Desde 2013 coordena a Produção da Mostra Sururu de Cinema Alagoano. Em 2016 foi produtora executiva do Projeto Ocupe a Praça em Maceió. Possui formação em Direção de Arte pelo Centro Audiovisual Norte-Nordeste/Canne através de curso ministrado por Vera Hamburguer. E participou do curso de formatação de projetos do PRODAV – 09, ministrada por Durval Leal. Teve como primeira experiência em cinema a Coordenação de Produção do Curta-metragem de ficção “O que lembro, Tenho”, (Dir. Rafhael Barbosa, 2012). No ano seguinte trabalhou na produção do Curta-metragem de ficção “A gente não combina com esta sala”( Dir Nivaldo Vasconcelos)no curta-metragem de ficção “Flamor” ( Dir. Leandro Alves) e no curta-metragem “ O Vulto” (Dir. Wladymir Lima) em todos como coordenadora de produção. Também neste ano realizou os primeiros trabalhos como diretora de arte nos projetos já citados (“Flamor” e “O Vulto”). Em 2016 realizou a Direção de Arte do curta-metragem de ficção “Avalanche” (Dir. Leandro Alves) e Direção de Produção e Arte do Curta-Metragem experimental “O Cortejo” (Dir. Marianna Bernardes, em andamento) Como experiência em formação já ministrou as seguintes oficinas: Produção Executiva para Audiovisual (Festival Maionese 2013 e Semana do Audiovisual – SEDA, 2013); Case: Coletivo Popfuzz: Coletivismo e Ação (Grito Rock São Miguel dos Campos, 2013 e Ostra Musical, 2015); Direção de Arte para Curta-metragens (Projeto Filmar, 2015); Produção Para Audiovisual (Doc Lab – SESC, 2016)

Filmes nos quais trabalhará em 2017: Olhe para mim, O Braço, De quem é esse Reggae?, Trincheira, Besta Fera e Teto.

 

emmanuel-miranda

EMMANUEL MIRANDA
Studio Magic Room
Disciplina: Som para cinema

 

 

 

Emmanuel Miranda é natural de Maceió, Alagoas, e iniciou seu trabalho na música aos 16 anos. Em seu primeiro contato com um estúdio de gravação, se apaixonou também pela produção musical. Em 2004 mudou-se, então, para a Holanda, e lá teve a oportunidade de desenvolver projetos ao lado de músicos conhecidos e de gravar, como baixista, para vários artistas. Montou um pequeno estúdio fora do Brasil e começou a trabalhar também com produção musical, passando a gravar em grandes estúdios e a seguir um workflow profissional. Como músico, também participou da trilha sonora do longa metragem holandês “Sextet”, travando aí o seu primeiro contato com o audiovisual. Começou a estudar mixagem para cinema e em 2009, retornou ao Brasil e abriu o seu próprio estúdio. Em 2012 mixou seu primeiro curta-metragem, “Farpa”, de direção de Henrique Oliveira, onde trabalhou também como microfonista ao lado do sonidista Márcio Câmara. Desde então, já realizou diversos trabalhos como técnico de som direto e se especializou como re-recording mixer, montando sua produtora de pós-produção de som, a SOUND.TRACK atualmente chamada de Magic Room Studio, que hoje vem a ser o primeiro estúdio de mixagem 5.1 de Alagoas. Atualmente conta com mais de 20 curtas mixados e esse ano inicia seu trabalho de mixagem on line, em site próprio a ser lançado em breve e que abrigará trabalhos com filmes de todo o Brasil e mundo

Filmes nos quais trabalhará em 2017: Teto, O Poeta do Barro Vermelho, Alano, Besta Fera, Trincheira, Laura, Bagaço, Motuo-perpétuo e Aula de Hoje.

 

  • nivaldo-vasconcelos
  • matheus-nobre
  • nina-magalhaes
  • emmanuel-miranda
  • cartaz-site

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *